Mamães, vocês sabem o que é a pré-eclâmpsia? Muitas acham que é apenas uma pressão alta na gestação, mas o problema é GRAVE e coloca em risco a vida da mãe e do bebê. Por isso resolvemos fazer o post de hoje para tirarmos as nossas dúvidas.

O que é?

A pré-eclâmpsia começa a se manifestar por volta da 20 semana de gravidez, no parto ou após o parto. Acomete cerca de 5 a 10% das gestantes.

O fluxo de sangue para o bebê fica comprometido. Assim, a criança recebe alimento insuficiente e tem seu crescimento prejudicado, ficando mais frágil. Muitas vezes, isso obriga os médicos a fazerem um parto emergencial, antes da data prevista.

O pior dos cenários ocorre quando uma alteração na coagulação sanguínea provoca um descolamento prematuro da placenta, uma complicação perigosa que desencadeia hemorragia e requer também um parto de urgência.

Sintomas

 – Inchaço de mãos, pés e rosto;

– Dor de cabeça;

– Dores abdominais;

– Sangramento vaginal;

– Perda de proteínas pela urina;

– Alterações visuais;

– Pressão alta;

– Baixo nível de plaquetas no sangue;

– Alteração de enzimas hepáticas.

Se você sentir alguns sintomas no pós-parto como: pressão arterial superior a 140 x 90 mmHg, enjôos, vômitos, alterações na visão, dor de cabeça muito forte e constante procure um médico imediatamente, pois você pode estar com pré-eclâmpsia pós parto.

Fatores de risco

– Primeira gestação;

– Gravidez gemelar;

– Fetos grandes;

– Histórico de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia em gestações anteriores;

– Ocorrência de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia na família;

– Pressão alta antes da gravidez;

– Idade superior a 35 anos;

– Sobrepeso

Tratamento

Se a pré-eclâmpsia for leve o tratamento pode ser feito em casa mesmo, diminuindo o consumo de sal, ingerindo muito líquido, fazendo repouso e sempre com o acompanhamento médico.

Se a pré-eclâmpsia for grave o tratamento deve ser feito no hospital, onde a grávida fica internada para receber os medicamentos pela veia e para monitorar como está a saúde tanto da mãe quanto do bebê.

Geralmente, a pré-eclâmpsia tende a normalizar após o parto com o desaparecimento dos sintomas.

Lembre-se: Faça o seu pré-natal corretamente e na dúvida fale sempre com o seu médico.