É por amor que você dá o seu corpo, o seu coração e a sua paciência.
Você dá o seu sono, a sua calmaria, os seus braços, os seus pensamentos e a sua vida inteira.
Você deixa para trás a mulher que um dia conheceu, e se perde nesse mergulho intenso que é se doar por outro alguém.

É por amor que você aprende a valorizar as pequenas coisas da vida. As mãozinhas pequenas que acariciam o seu seio, os braços que pedem seu colo ao primeiro sinal de sono, dor ou cansaço, o olhar atento de quem te valoriza mesmo quando você queima o almoço, esquece o dia da apresentação na escola, grita impaciente, e chora quando percebe que poderia ter feito tudo diferente.

É por amor que você aprende o nome dos desenhos animados, repete as falas e sabe de cor todas as suas músicas infantis prediletas. Lê o mesmo livro todas as noites antes de dormir, e inventa histórias sempre pensando em fazê-los sorrir.

É por amor que você leva ao médico, liga para outros especialistas, segue a sua intuição, implora por uma solução. Escuta de perto a respiração, afere a temperatura a cada minuto, compartilha a cama para acalmar o coração.

É por amor que você conta até 10, 20, 30, 100; inspira e respira, faz um pote da calma, tenta colocar em prática todas as técnicas avançadas de disciplina positiva e sempre reza por sabedoria.
Você faz escolhas difíceis. Diz não quando é preciso, reclama quando necessário, e sabe que um dia, em meio a raiva, será chamada da ‘pior mãe do mundo’. Ainda que doa, como um soco no estômago, você sabe que não vai desistir.
É por amor que você é capaz de desistir de seus próprios sonhos, se reinventar e até se perder. Mesmo que ninguém perceba, celebre ou note, por trás da cena, lá estará você: vivendo em intensa doação e amor.
É por amor – amor de mãe, que lá está você.
Você dá a sua vida, o seu coração, o seu tempo porque você ama mais do que o amor é capaz.
E você sabe que hoje, amanhã e depois, ao lado deles, você sempre estará.

Texto: @maezice por Ananda Urias