“Filho, sei que mamãe já não está tão próxima quanto antes, mas saiba que isso é só fisicamente, porque meus pensamentos e coração estão ligados aos teus. Guardo na memória cada conversa que você tenta ter comigo quando ainda com a bolsa a tira colo entro na sala de casa cansada pelo dia longo de trabalho. Pode parecer que é desinteresse, mas é puramente cansaço e estresse que a vida insiste em jogar no meu colo no intuito que eu carregue e aconchegue no meu coração sentimento tão ruim de esgotamento físico e mental. Porém sou das mães teimosas que persistem apesar de tudo e resistem. Eu me nego a tratá-lo de forma ríspida ou com falta de atenção. Quero ouvir toda e qualquer história que conte, inventada ou não. E rir das piadas, dar minha opinião nos assuntos que você julgar sérios. Quero participar. Eu realmente me nego a não vê-lo crescer.
Cada vez que chego tarde e ao entrar no quarto vejo o menino grande deitado na cama, um pedacinho do meu coração se entristece porque mais um dia eu perdi sem te ter por perto. Mescla de orgulho, satisfação e saudade. Falta que sinto de quando você ainda cabia no meu colo, dos pezinhos gordinhos andando pela casa carregando sua coberta e chupeta. Falta das primeiras palavras. Hoje seu vocabulário, tão extenso, só me faz lembrar do tempo que passa tão rápido.

Mas não se preocupe, filho. Essa tristeza que sinto passa com o primeiro “oi mamãe” que ouço, quando olho nos seus olhos e você envergonhado olha para o chão. Eu insisto para que você me encare mais uma vez. Quero ter a certeza que você reconhece meu olhar de carinho e paixão louca que tenho por você e por quem se tornou. Quero seus olhos no meu para que tenha a certeza que o “eu te amo” é do fundo da alma e que ao dizer, dói a barriga de amor. Dizem que para saber se você ama alguém, é só observar as borboletas no estômago, o frio na barriga e a vontade incontrolável de ter por perto. Pois é. Essa é a certeza do quanto te amo. 
Tenha a certeza absoluta e irrefutável do meu amor. E passarei meus dias te fazendo acreditar nele. Caso ainda haja dúvida…”