Oi mamães, chega essa época do ano começam os casos de bronquiolite né? A pediatra do Benício me disse que os casos esse ano já começaram e que muitas crianças já estão com os sintomas, se você está aí preocupada com o seu filho leia o texto abaixo.

O que é?

A bronquiolite é uma infecção altamente contagiosa, que ataca preferencialmente crianças menores de 2 anos. Os bebês com menos de 6 meses são as principais vítimas.

Se caracteriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente, é causada por uma infecção viral.

O ar entra pelo nariz, vai para a nasofaringe, chega até a laringe (cordas vocais) e, já no pescoço, desce por um tubo que se chama traquéia. Dentro do tórax, a traquéia divide-se em dois tubos chamados brônquios – um vai para o pulmão direito e outro para o esquerdo. Cada brônquio, no trajeto dentro do pulmão, vai se ramificando e tornando-se cada vez mais estreito. A estes tubos de ar, diminutos, que espalham o ar nos pulmões chamamos de bronquíolos.

Fatores de risco

  • Prematuridade.
  • Baixo peso ao nascer.
  • Idade inferior a 3 meses.
  • Crianças com doença pulmonar, neurológica ou cardíaca prévia.
  • Imunodeficiência.
  • Fumo passivo.
  • Frequentar creche.
  • Ter irmãos mais velhos que frequentemente trazem infecções respiratórias para casa.
  • Morar em casa amontoado com muitas pessoas.
  • Ambientes frios (o vírus costuma circular com mais facilidade no inverno).
  • Inalação de poeira.

Sintomas

Os sintomas surgem após 2 a 5 dias de resfriado, sendo eles:

  • Recusa alimentar.
  • Cansaço para mamar.
  • Letargia e sonolência.
  • Broncoespasmo (chiado no peito).
  • Tosse persistente, que pode durar por mais de 2 semanas.
  • Dor de ouvido.

Nos casos mais graves, a criança pode apresentar:

  • Dificuldade respiratória, caracterizada por frequências respiratórias elevadas, geralmente acima de 60 incursões por minuto.
  • Batimento de asas do nariz – movimento das narinas (abrindo e fechando) que ocorre em situações de dificuldade respiratória na criança pequena.
  • Cianose (dedos e lábios arroxeados).
  • Rebaixamento do nível de consciência.

Em crianças menores de 2 meses um dos sintomas da bronquiolite pode ser pausas respiratórias (apneia) de até 20 segundos.

Na maioria dos casos, a bronquiolite é uma doença autolimitada, com resolução espontânea após alguns dias. O pico dos sintomas costuma ocorrer entre 5 a 7 dias. A recuperação completa geralmente se dá em 1 ou 2 semanas, mas pode demorar até 4 semanas em alguns casos.

Os casos mais graves são aqueles em que o bebê apresenta dificuldade respiratória, principalmente quando há sinais de esforço para respirar. Em geral, apenas 3% dos casos precisam de hospitalização.

Como tratar?

Assim como na gripe, não há um tratamento específico para a bronquiolite. Nas casos mais leves, o tratamento pode ser feito em casa, com repouso, antipiréticos e soro nasal. Nebulização com soro também pode ajudar. Se houver algum grau de broncospasmo, a nebulização com broncodilatadores está indicada.

Os bebês que ainda mamam costumam ficar mais cansados, não conseguindo mamar com a mesma eficiência. Nestes casos, ofereça o peito com mais frequência para que o mesmo mantenha-se sempre bem hidratado e alimentado.

Lembrando que o seu médico é quem irá prescrever o tratamento adequado de acordo com a idade.

Prevenção

A maioria dos casos de bronquiolite não são fáceis de evitar porque os vírus que causam a doença são comuns no meio ambiente. Lavagem cuidadosa das mãos, especialmente antes de cuidar de bebês, pode ajudar a prevenir a disseminação dos vírus.

Evite levar seu filho para locais com aglomerações e contato próximo com crianças doentes.

Mantenha também em dia a carteira de vacinação, para que não haja infecção mista, ou seja, além da bronquiolite, outro vírus ou uma bactéria instale-se e complique o quadro.

Fique atenta ao aparecimento dos sintomas e busque um médico o quanto antes.